Hub

Artigo: O que deve mudar na cadeia de alimentos pós Covid-19

Imagem: Artigo: O que deve mudar na cadeia de alimentos pós Covid-19

Este é um conteúdo produzido pela Venture Hub, em parceria com a Conexão.f e Food Ventures.

Em quantos anos você se imagina acordando, indo até a sua cozinha e imprimindo seu café da manhã em uma impressora 3D?

Transformação digital, automatização, robôs, trabalho remoto, flexibilidade e por aí vai... Há tempos já ouvíamos estes termos e sabíamos que eles fariam parte do futuro, mas certamente não se falava que a experimentação de alguns deles aconteceria assim, tão rápido, em um contexto de pandemia mundial.

O momento atual está exigindo que empresas e indústrias de todos os setores e tamanhos se adaptem e se reinventem, procurando manter seus negócios girando. Opções como home-office não estão disponíveis para todos, e o momento requer muita criatividade e ações rápidas.

A cadeia de alimentos é uma das que não podem parar. Por isso, uma boa vitrine de criatividade, tendências, ações e mudanças. Com a adoção do isolamento social, vimos novas posturas internas, adaptações de trabalho, novos meios de produção, de distribuição e de comunicação.

A partir deste cenário, o futuro da cadeia de alimentos não será o mesmo. Já estávamos vivendo uma mudança significativa na relação dos consumidores com os alimentos e o futuro pós Covid-19 será diferente em muitos aspectos:

Rastreabilidade, Segurança, Sustentabilidade: A preocupação mais latente e, portanto, a primeira na qual veremos mudanças, é com a qualidade e procedência do alimento, assim como o impacto da sua produção no meio ambiente. Isso exige controle e rastreabilidade de toda a produção para que consumidores tenham acesso a informações, que até então não estão disponíveis.

Soluções para Embalagens: As embalagens inteligentes com ativos antimicrobianos e biodegradáveis já existem, mas o trauma pós Corona vírus torna esta área muito fértil para que essa tecnologia saia dos laboratórios e apareça nas prateleiras dos supermercados.

Novas Formas de Consumo, Desperdício: As campanhas em favorecimento do comércio local e venda online aumentaram, mudando a maneira de consumo, distribuição e o desperdício dos alimentos. De um lado temos a distribuição local que contribui para uma cadeia logística mais sustentável e do outro notamos o aparecimento de robôs programados para agilizar o processo de distribuição e minimizar os danos aos alimentos durante seu transporte.

Alimentos de Base Vegetal (Plant based Foods): Além dos hamburgueres que vem despertando curiosidade, outros produtos à base de plantas ganharão cada vez mais espaço, como por exemplo o sal feito de plantas naturais, como já podemos encontrar algumas opções disponíveis no mercado, disputando espaço com o sal marinho.

Novos ingredientes (Biodiversidade), Aproveitamento Integral da Matéria Prima: A busca por novas fontes de alimentos, principalmente aproveitando biomas locais, receberá atenção e ganhará mercado.

Hoje três quartos da comida do mundo são derivados de cerca de 15 plantas e cinco espécies animais. Neste novo contexto, o Brasil ganhará destaque por possuir 6 Biomas (Amazônia, Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado, Pantanal e Pampa) ricos em variedades de frutas, castanhas e plantas.

Pensando em uma maneira mais radical, o próximo degrau será a produção de alimentos sintéticos em laboratórios. Além de controle sanitário, epidemiológico, controle de qualidade, aspectos nutricionais, zero ou baixa emissão de gases de efeito estufa, esta prática abrirá espaço para que robôs inteligentes preparem terras para a agricultura regenerativa e reflorestamento.

Por mais radical e distante que algumas situações pareçam, falamos aqui de tecnologias que já existem ou estão em desenvolvimento, assim como a cena com a impressora 3D do início do texto. Mesmo que o produto já exista, parece uma realidade distante e realmente não temos como afirmar quando viveremos a rotina de imprimir nosso café da manhã.

Neste momento, ainda enfrentando um cenário volátil e instável, conseguimos afirmar que não importa o quão distante estávamos deste momento, no dia hoje, estamos bem mais próximos.

Assim é com todo o processo de automatização e modernização da cadeia de alimentos, passando por mudanças significativas para atender um mercado consumidor diferente e abrindo um leque de oportunidades para empresas que querem liderar esta mudança.

Compartilhe essa notícia:
Autor(es) do Post